“Bati com força”, diz mulher que levou garrafada em conversível no Rio

“Bati com força”, diz mulher que levou garrafada em conversível no Rio

 

Pois é, como muitos sabem no final de semana houve um grande confusão envolvendo algumas mulheres que estavam de biquíni dentro de um carro conversível.

Contudo, o caso aconteceu na zona sul do Rio de Janeiro e a confusão começou quando uma frequentadora do bar resolveu arremessar uma garrafa de plástico em uma das mulheres que estavam no veículo.

Com isso, a mulher agredida com a garrafa saiu do carro e foi tomar satisfações com àquela que jogou a garrafa e foi chamada de “[email protected]@[email protected]”.

A mulher agredida chama-se Sheila e por meio de um vídeo que está circulando nas redes sociais, ela diz que está recebendo diversas ofertas para se promover.

 

“Bati com força”, diz mulher que levou garrafada em conversível no Rio

Dessa forma, ela disse:

“Sexta-feira à noite , saindo do pós-praia, estávamos de biquíni sim, porque nós moramos na praia.

Estávamos eu, meu amigo Will e minha amiga Priscila curtindo nossa onda.

Tínhamos bebido, estávamos de capota aberta, carro conversível, quando passamos numa rua mais movimentada e eu escuto uma garota falar assim: “Vagabunda!”.

Eu olhei para o lado e ela estava com cara de deboche, me mandou um beijo”.

“Achei desnecessário e dei até risada, achei engraçado. Pensei: “será que ela quer estar aqui, quer participar?”.

Só que, não satisfeita, provavelmente por não ter conseguido chamar minha atenção, ela vai e taca uma garrafa d’água nas minhas costas, bem no momento em que eu estava mostrando algo no celular para o Will, abaixada.

E não tinha orgia nenhuma, tudo o que ela falou sobre orgia não tem, é só assistir o vídeo.”

“Eu olhei diretamente para ela porque eu já sabia. Ela me mandou outro beijo. Como não tenho sangue de barata, na hora, minha reação foi pular do carro.

Quando pulei, deu tetopreto, só que eu não sabia o que eu ia fazer. Pulei porque estava com muita raiva e não aceito apanhar de graça. Nessa hora, ela falou “vem”, e eu fui.

Apanhei e revidei. Estou certa?… eu acho que estou. Porque eu tenho certeza que não mereço apanhar à toa. Tenho minha filha, não ensino violência a ela, mas ensino a se defender.”

Carro conversível e mulheres de biquínis são agredidas verbalmente

Sheila disse que “Bati. Bati, sim. Ela não se esquivou, não. Bati com força, foi um tapa bem dado.”

“Só quero ficar em paz, e que ela fique em paz também. Não tenho raiva dela. Aline, minha querida, um beijo para você.

Espero realmente que você tenha paz de espírito e que consiga se encontrar na sua vida, para você não sentir inveja dos outros, e que consiga de verdade alcançar todos os seus objetivos. Se seu objetivo for curtir o que a gente estava curtindo, um dia você chega lá, querida. Tá bom?”

Contudo, Aline chegou a postar um vídeo que foi apagado, mas que dizia o seguinte:

“Não me arrependo de nada, nem da gravação que postei. Joguei água realmente porque a situação estava gerando um desconforto a todos que estavam ali, principalmente para as duas crianças que ficavam perguntando porque duas mulheres estavam se beijando e beijando também um homem.

Elas mostravam o peito e faziam preliminares. Mas acabei saindo de maluca na história. Se elas me processarem, eu processo de volta”, disse.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *