Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu

Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu
Publicidade :)

Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional

A demissão do Ministro da Saúde repercutiu muito na imprensa internacional.
Conforme o Jornal britânico “The Guardian”, Mandetta foi denominado como “popular ministro”.
Além disso, o texto também informou que a saída dele aconteceu “após semanas de impasse sobre visões radicalmente diferentes da pandemia de coronavírus”.

Ademais, o jornal disse que o ministro defendia o isolamento social, porém

Publicidade :)

“o presidente de extrema direita insiste que o impacto da pandemia na economia brasileira é mais importante do que a perda de vidas”.

Mas, não ficou somente nisso, o jornal falou que para o presidente, o mais importante é evitar o impacto na economia do que salvar vidas.
Porém, outros portais de notícias também destacaram a relação para lá de conflituosa entre o ministro e o presidente.
O Jornal da Coreia do Sul disse que “No Brasil, o coronavírus se espalhou rapidamente, com mais de 29 mil casos confirmados e 1.760 mortes.

Nas Américas, a infecção por coronavírus é a segunda mais grave do mundo, depois dos Estados Unidos”.
Contudo, o jornal “Washington Post” informou que “após um debate público sobre a distância social entre o presidente Bolsonaro e o ministro Mandetta”.
Ademais, o “Wall Street Journal” também falou sobre a notícia.

Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional

Já o jornal jornal sul-coreano “Chosun” informou que a demissão foi “um divórcio por consenso” e que o Ministro novo, Nelson Teich, informou que “tudo será analisado de maneira científica”.

Todavia, a revista alemã “Spiegel” falou sobre as “controvérsias sobre o curso correto contra a disseminação do coronavírus” existente entre o presidente e o ex-ministro.

Além disso, citou ainda que “Segundo pesquisas, ele era ainda mais popular que o presidente Bolsonaro”.

“Após o anúncio, os brasileiros se manifestaram em várias cidades do país, segundo a agência de notícias ‘dpa’. Nos chamados panelaços, no Rio de Janeiro e em São Paulo, por exemplo, as pessoas batem em panelas e frigideiras em protesto, e chamadas de “Fora Bolsonaro” também são feitas de janelas abertas”.

Porém, o jornal francês “Le Parisien” chamou muito atenção sobre a demissão “no meio da crise do coronavírus”.

O subtítulo da notícia foi “O ministro, que defende o distanciamento e o confinamento social, discorda totalmente de Jair Bolsonaro, que frequentemente denuncia a ‘histeria’ por causa de ‘uma gripezinha'”.

Contudo, o jornal italiano “La Stampa” também não ficou para trás e falou que os dois “estavam em desacordo há dias por causa da gestão de emergências”.

“O ministro Mandetta, que tentou de todas as maneiras convencer o presidente da necessidade de impor medidas restritivas ao Brasil para evitar a propagação da infecção, é de uma opinião completamente diferente.

Bolsonaro, no entanto, está mais preocupado com as consequências econômicas causadas por um confinamento”.

Por fim, o jornal O argentino “La Nación” disse que “desde o início da semana, fala-se da saída do ministro do cargo devido à tensão no relacionamento com o presidente Jair Bolsonaro”.

 

Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional Demissão de Mandetta por Bolsonaro repercutiu na imprensa internacional

 

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *