Notícias e Informações
Publicidade
Publicidade

Mulher com Suspeita de GASES é diagnosticada com INFARTO PULMONAR… Ver mais…

Caroline Mayorga, de 30 anos, precisou tomar morfina por causa das fortes dores ao ser internada na UTI.

A paulistana Caroline Mayorga, de 30 anos, inicialmente chegou à Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital São Luiz, no Morumbi, Zona Sul de São Paulo, acreditando que suas dores eram causadas por gases. No entanto, o diagnóstico revelou que ela estava sofrendo de um infarto pulmonar.

Caroline descreveu o período que passou internada como “assustador”.

O Uso de Anticoncepcionais como Possível Fator Contribuinte para os sintomas que Caroline sentiu

Caroline, uma profissional de marketing, compartilhou que teve que recorrer à morfina para aliviar a dor. Além disso, ela mencionou que o uso de anticoncepcionais poderia ter sido um dos fatores contribuintes para o seu infarto pulmonar.

Caroline recordou que na noite de 24 de novembro, uma sexta-feira, ela estava tranquilamente em casa assistindo TV e preparando brownie para a sobrinha.

No entanto, por volta das 21h30, ela começou a sentir dores agudas no lado esquerdo da costela e entre o ombro e o pescoço, que se assemelhavam a dores de gases. Apesar das dores persistentes, ela decidiu se deitar na esperança de que as dores passassem.

“Por volta de 1h [na madrugada de sábado, 25 de novembro], uma dor intensa me acordou. Inicialmente, presumi que fossem gases. Imediatamente, comecei a pesquisar possíveis soluções para aliviar o desconforto. Assim, tomei laxante, ibuprofeno, água e chá”, relatou.

“Entretanto, ao despertar por volta das 8h30, percebi algo incomum, a dor persistia. Já se passavam quase 12 horas e a dor continuava a mesma. Diante disso, decidi ir ao hospital, pois o incômodo estava me impedindo de cumprir meus compromissos.”

A paciente imaginou que receberia medicação e seria liberada logo em seguida. Contudo, o diagnóstico resultou em sua internação

Após passar por uma triagem, a médica me prescreveu medicamentos para a dor e solicitou uma série de exames: sangue, urina e tomografia do tórax e abdômen.

No entanto, a dor não apenas persistia, como também se intensificava. Realizei todos os exames conforme orientado, e logo após, a médica me convocou para uma nova consulta.

Foi quando ela me informou que eu estava sofrendo de um infarto pulmonar bilateral. Seguindo o protocolo, fui imediatamente internada na UTI. Permaneci no hospital por seis dias.

Devemos encarar o infarto pulmonar como um desdobramento de uma embolia pulmonar.

Todavia, O pneumologista Rodolfo Behrsin, que também é professor da UniRio, comentou o caso de Caroline Mayorga. Ele afirma que devemos encarar o infarto pulmonar como um desdobramento de uma embolia pulmonar.

“Em situações onde o paciente apresenta uma embolia, o tamanho do êmbolo pode variar. Dependendo do seu tamanho, ele pode acabar obstruindo um vaso sanguíneo. Como resultado dessa obstrução, o vaso não consegue mais transportar sangue para as áreas que normalmente supriria”, esclarece o médico.

Os sintomas do infarto pulmonar incluem:

  • falta de ar;
  • dores nas costas;
  • e presença de estrias de sangue no escarro.

Contudo, Os médicos ainda não determinaram a causa da embolia pulmonar de Caroline Mayorga até o momento da última atualização desta reportagem.

Rodolfo Behrsin, por sua vez, destacou que certas circunstâncias podem elevar o risco da doença.

“O consumo de anticoncepcionais pode aumentar a chance de desenvolver trombose e embolia pulmonar. O pneumologista alertou que o risco pode ser ainda maior se o uso de anticoncepcionais for combinado com o hábito de fumar.

O hospital liberou Caroline Mayorga em 30 de novembro, no entanto, ela continua seu tratamento com anticoagulante. Ela compartilhou sua experiência durante os dias passados na unidade de terapia intensiva.

Leia mais: FAMOSO INFLUENCER: Renato Cariani é Acusado de Desviar Produtos Químicos para a Produção de Crack… Ver mais…

Comentários estão fechados.