Mãe joga seu próprio filho recém-nascido pela janela por motivo inacreditável!!

Mãe joga seu próprio filho recém-nascido pela janela por motivo inacreditável!!
Publicidade :)

Pois notícias tristes são inevitáveis, e geralmente pegam todos de surpresa e despreparados. Infelizmente todos os dias são divulgados.

novos casos que chocam a população e repercutem de forma absurda no mundo inteiro.

Porem como foi o caso envolvendo a jovem Shelby Carter e o seu bebê recém-nascido.

Publicidade :)

Oque mais chamou a atenção foi a atitude da jovem que tinha completado 21 anos a pouco tempo.

Pois tudo aconteceu na cidade de Wyoming, localizada no estado de Illinois, nos Estados Unidos.

quando um incêndio tomou conta do apartamento que a Shelby morava juntamente com sua mãe, noivo e filha

Porem no momento das fortes chamas, a mãe não viu outra alternativa, a não ser arremessar o seu bebê.

De apenas 12 dias de nascimento do segundo andar de um prédio.

Mas para amenizara o impacto, antes de arremessar a filha, ela colocou a filha no carrinho de segurança do carro.

E depois arremessou em uma pilha de lixo, para reduzir ainda mais o risco.

Assim a equipe do corpo de bombeiros foi acionada, mas quando chegou ao local não havia muito a ser feito, pois a casa já estava praticamente toda destruída pelas chamas.

Afinal eles resgataram o bebê com vida, mas infelizmente a mãe não resistiu devido ao logo tempo que permaneceu na casa.

acabou inalando uma alta quantidade da substância conhecida como monóxido de carbono, que é extremamente perigosa.

Pois os membros da equipe do Corpo de bombeiros que atenderam a ocorrência ficaram surpresos.

com a atitude heroica da mãe que salvou a vida da sua filha com uma ação rápida e precisa.

“Alias as ações heróicas e desinteressadas de Shelby provam que não há fim no amor de uma mãe por um filho“, disse um dos integrantes.

Enfim ao mesmo tempo todos se questionaram o motivo de Shelby não saltar da janela junto com a sua filha e também salvar a sua própria vida, mas não chegaram a uma conclusão.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *