Pesquisa: o desempenho fraco de Doria, Mandetta e Huck e a exceção Moro

Pesquisa: o desempenho fraco de Doria, Mandetta e Huck  e a exceção Moro

 

 

Pois a dois anos da eleição presidencial de 2022, o cenário indica desde já que a polarização vista na campanha de 2018.

 

 

 

pode se repetir diante da pulverização de possíveis candidaturas de centro.

 

 

 

 

Na pesquisa exclusiva feita pelo instituto Paraná Para a revista Veja mostra que candidatos moderados, não decolam, mesmo com nomes conhecidos ou já testados nas urnas.

 

 

 

 

 

a exemplo do governador de São Paulo, Doria (PSDB), do apresentador da TV Globo Luciano Huck, do ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e do empresário João Amoêdo (Novo).

 

 

 

 

 

 

Assim a tanto tempo do pleito, as variáveis não são nada desprezíveis, assim como a possibilidade de composição entre os possíveis candidatos deste ponto do espectro político.

 

Pesquisa: o desempenho fraco de Doria, Mandetta e Huck  e a exceção Moro

 

 

 

 

Pois até agora, no entanto, o fato é que os quatro nomes não chegam a atingir dois dígitos no levantamento, feito entre os dias 18 e 21 de julho, com margem de erro de dois pontos porcentuais.

Pesquisa: o desempenho fraco de Doria, Mandetta e Huck e a exceção Moro

 

 

 

 

Pois quando o cadidato João Doria é colocado em disputa contra o candidato Jair Bolsonaro no segundo turno, João Doria aparece com 23% da preferência.

 

 

 

 

 

sem conseguir capitalizar os 48% que desaprovam o governo do presidente assim sequer os 38% que classificam o governo dele como ruim ou péssimo.

 

 

 

 

 

 

 

Apesar da rejeição muiti expressiva apontada pelo levantamento, Bolsonaro fica com 51,7% no confronto contra o tucano.

 

 

 

 

 

 

Afinal os candidato a presidente há dois anos, quando ficou em quinto lugar, abaixo de Alckmin, com 1,8% dos votos totais,Amoêdo varia de 3,4% a 4%.

 

 

 

 

Pois já Huck, há vinte anos em horário nobre na TV, tem de 6,5% a 8,3% da preferência no primeiro turno e é batido por 50,8% a 27,6% no segundo turno por Bolsonaro.

Pesquisa: o desempenho fraco de Doria, Mandetta e Huck  e a exceção Moro

 

 

 

 

 

Porque no único cenário em que aparece, Mandetta tem 5,7%.

 

 

 

 

 

Enfim enquanto pessoas próximas a Huck dizem que seu interesse em entrar na corrida eleitoral esfriou.

 

 

 

 

Já oex-ministro da Saúde disse à BandNews TV nesta semana que participará ativamente do pleito eleitoral de 2022, como candidato a presidente ou vice.

 

Eleições no Brasil foram adiadas pelo Senado por causa da pandemia

 

 

 

Alias nos bastidores da política cogita-se uma chapa entre ele e Doria ou o ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro.

 

 

 

 

 

Pois a uma novidade como força política relevante à centro-direita, Moro é exceção.

Datena assume que vai disputar às próximas eleições e dispara: “Um ladrão a menos”

 

 

 

 

Enfim fora do governo desde abril, o ex-juiz da Operação Lava-Jato aparece com percentuais entre 17,1% e 16,8% das intenções de voto.

 

 

 

 

e desponta como um dos principais adversários do presidente Jair Bolsonaro.

STF deve definir futuro das eleições municipais de 2020 nesta quinta

 

 

 

 

Pois sua candidatura,indicam os números, o credenciaria a disputar com o PT o posto de adversário de Jair Bolsonaro no segundo turno.

 

 

 

 

 

apesar dos problemas políticos do presidente Bolsonaro , o levantamento mostra que ele já larga com um pé na parte decisiva da eleição e seria o favorito a se reeleger.

 

 

 

 

Enfim os eleitores de centro-direita não consegue visualizar nenhuma alternativa ao nome do presidente no momento, então continua aderindo a ele.

 

 

 

 

 

 

Alias Moro sinaliza isso, mas quando sai do ministério, fica encolhido.

 

 

 

 

 

Porem de acordo com a lógica eleitoral é a da gôndola do supermercado, você não escolhe o ideal, mas sim o que está ali”.

 

 

 

 

compara o cientista político e sociólogo Antonio Lavareda, especialista em pesquisas eleitorais.

 

 

 

 

 

Assim se esses candidatos se articularem, se altera o cenário de segundo turno. Se afinal se oposição conseguir construir o tal arco democrático, há um potencial expressivo contra Bolsonaro”, avalia.

Fonte: revista veja

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *