UFRJ ESTIMA PICO DE PANDEMIA NO RIO NO INÍCIO DE JUNHO E ACONSELHA BLOQUEIO TOTAL

UFRJ ESTIMA PICO DE PANDEMIA NO RIO NO INÍCIO DE JUNHO E ACONSELHA BLOQUEIO TOTAL

Nesta semana, os pesquisadores da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) fizeram um alerta preocupante.

Todavia, eles afirmam que caso não haja uma redução na velocidade de transmissão do covid-19, há possibilidade de um novo pico.

Enfermeira ‘esquece’ uniforme sob avental transparente e é flagrada cuidando de doentes da Covid-19

Para a primeira semana de Junho, para os estudiosos é possível que o estado chegue a 40 mil no pico da pandemia.

No entanto, como medida para evitar esses números, os pesquisadores sugerem lockdown total em todo o estado do

Rio de Janeiro.

O estudo inclui somente os casos de covid-19 confirmados pela secretaria estadual de saúde.

“O modelo estima que o número de casos de Covid-19 confirmados no período de pico deverá chegar a cerca de 40 mil casos notificados, levando em conta que apenas 9% dos casos são notificados. O número de óbitos poderá chegar a 30 mil pessoas ao final da pandemia de acordo com o modelo utilizado, caso se mantenha o cenário atual, na qual apenas cerca de 50% da população fluminense segue as orientações de confinamento”, alerta Claudio Miceli, um dos coordenadores do estudo.

Entretanto, os pesquisadores afirmam que o ideal para evitar que esse tipo de pico aconteça seja o lockdown total no estado.

UFRJ ESTIMA PICO DE PANDEMIA NO RIO NO INÍCIO DE JUNHO E ACONSELHA BLOQUEIO TOTAL

“A adoção do lockdown é necessária, tendo em vista o comportamento da população até o momento, e a insuficiência de infraestrutura hospitalar do Rio de Janeiro. É a forma mais eficaz de frear a contaminação de pessoas. Os países que adotaram essa medida, como a França, já estão retornando suas atividades. O mesmo já poderia estar acontecendo no Rio de Janeiro, caso isso fosse feito”, lamenta Claudio.

A era do covid-19

Em conclusão, os estudos foram feitos com dados considerando os dias 20/02 a 02/05 desse ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *