Notícias e Informações
Publicidade
Publicidade

Jovem que teve grave reação alérgica ao cheirar pimenta tem piora no estado de saúde. “Thais apresenta muita… Ver mais

Adriana Medeiros relata que sua filha tem febre alta, diarreia e secreções. A condição piorou na sexta-feira e continuou no sábado.

Thais Medeiros, uma jovem que sofreu uma grave reação alérgica após cheirar pimenta, teve uma piora em seu estado de saúde, conforme relatado por sua mãe, Adriana Medeiros. Thais apresenta febre alta, diarreia e secreções. Adriana expressou sua angústia ao ver a filha em uma situação delicada.

Exames e Sintomas: A Preocupação da Mãe de jovem que teve reação alérgica após cheirar pimenta

Adriana revelou que passaram o dia realizando exames e coletando sangue para determinar a causa dos sintomas. Thais começou a mostrar sintomas na tarde de sexta-feira (12) e a febre continuou no dia seguinte, aumentando a preocupação da família. Adriana usou as redes sociais para expressar sua angústia sobre a condição de sua filha.

Adriana expressou seu desespero, dizendo que trocaria sua vida pela de sua filha, que daria tudo para tê-la de volta. Ela confessou que sua alma está mutilada, seu coração dilacerado, seus olhos perderam o brilho e sua vida perdeu o sentido. No entanto, ela continua a pedir a Deus que tenha compaixão e restaure a vida de sua filha.

Internação e Tratamento: A Admissão Crítica de Thais

No que diz respeito às internações e ao tratamento, Thais foi admitida em estado crítico no dia 17 de fevereiro de 2023, após ter uma reação adversa ao cheiro de uma ‘pimenta bode’ na casa de seu então namorado, situada na Vila Jaiara, em Anápolis, a 55 km de Goiânia.

Primeiramente, a jovem que sofreu uma grave reação alérgica após cheirar pimenta, foi levada para o Hospital Evangélico Goiano (HEG), onde foi necessário reanimá-la. Posteriormente, ela foi transferida para a Santa Casa de Anápolis.

O namorado dela esclareceu que Thais estava na cozinha com seus pais quando o assunto de pimenta surgiu. Em seguida, ela passou a pimenta no nariz e cheirou. Imediatamente, sua garganta começou a coçar e ela rapidamente perdeu as forças, levando-os a levá-la ao hospital.

Além disso, Thais já tinha um histórico de asma. De acordo com os médicos, ela teve um grave broncoespasmo, provocado pelo contato com a conserva.

Adriana Medeiros, mãe de Thais, afirmou que sua filha nunca havia apresentado uma reação alérgica grave antes. Antes de Thais acordar no hospital, ela passou por uma redução gradual da sedação, que era necessária para a proteção de seu cérebro.

Nos primeiros exames, uma tomografia revelou um edema cerebral. Durante sua estadia no hospital, Thais sofreu uma parada cardiorrespiratória e precisou ser entubada. A interrupção da sedação de Thais começou no dia 2 de março do ano passado. No entanto, inicialmente, ela não apresentou resposta neurológica.

Naquele momento, os médicos informaram que Thais tinha uma lesão cerebral irreversível, esclarecendo que, embora pudesse haver alguma melhora, ela não retornaria completamente ao normal.

De acordo com a família, Thais acordou da sedação pela primeira vez após 20 dias de internação.

Em uma evolução positiva de seu tratamento, no início de abril, Thais conseguiu sentar-se durante a fisioterapia, consumir seu primeiro alimento (um iogurte) e tomar sol pela primeira vez desde o incidente com a pimenta.

No dia 9 de abril, o Centro Estadual de Reabilitação e Readaptação Dr. Henrique Santillo (Crer) recebeu a transferência dela.

No dia 30 de abril, Thais foi liberada da UTI. Logo após, no início de maio, ela recebeu a visita de suas filhas pela primeira vez, marcando 80 dias de sua internação. Enquanto isso, a família da trancista, antecipando sua alta do hospital prevista para o início de junho, começou a se organizar. O objetivo era transformar sua residência em uma espécie de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para poder acolhê-la adequadamente.

Arrecadação e Desafios: A Jornada da jovem que sofreu uma grave reação alérgica após cheirar pimenta para a Recuperação

No meio do mês, os familiares arrecadaram R$ 166 mil por meio de uma vaquinha online, ultrapassando a meta estipulada de R$ 110 mil. Desde o início, Thais teve diversas infecções. A volta dela para casa chegou a ser adiada devido a algumas delas.

Em julho, após complicações, a expectativa era que Thais passasse por uma cirurgia para a retirada de abscessos. No entanto, o procedimento foi adiado e depois cancelado devido a infecções e a troca de medicação para tratá-las.

Motivo de muita alegria para os familiares, Thais recebeu alta médica do Crer e saiu do hospital pela primeira vez, para continuar o tratamento em casa, depois de mais de 5 meses de internação no dia 1 de agosto. Quatro dias depois, ela retornou ao hospital e após ter febre e apresentar urina avermelhada.

Thais retornou à UTI para tratar de uma infecção e complicações respiratórias, recebendo alta no dia 14 de agosto. No dia 7 de setembro, a jovem que sofreu uma grave reação alérgica após cheirar pimenta, recebeu uma nova alta médica do hospital, que permitiu que ela comemorasse seu aniversário em casa. A família celebrou esse momento.

Progresso de Thais e Desafios Enfrentados

Avançando para outubro, Thais começou a mostrar respostas aos estímulos durante as sessões de fonoaudiologia. Entretanto, em novembro, ela sofreu crises de broncoespasmo em casa, o que levou sua mãe a acionar o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) para socorrê-la.

Ainda em novembro, Thais iniciou um tratamento de neuromodulação, que envolve estímulos cerebrais, um presente de um hospital da capital. Adriana, logo após a primeira sessão, relatou que Thais apresentou boas respostas ao tratamento.

“Ela teve respostas boas em algumas áreas e em outras não, mas eles [os médicos] vão continuar estimulando essas áreas que não tiveram estímulos”, explicou Adriana Medeiros

 

Leia mais: Helicóptero que caiu em área de mata em SP ficou completamente destruído. Veja vídeo

Comentários estão fechados.